Editorial – Atlântica News – novembro 2017

Nos dias que correm e com a presente ou futura era do 4.0, há dois pilares fundamentais nas organizações: a Tecnologia e as Pessoas.

Se a Tecnologia é hoje um ativo necessário para o êxito de qualquer negócio, tornando as empresas mais produtivas e ágeis, para garantir a prestação de serviços com qualidade, as organizações têm de assumir que o fator-chave são as Pessoas.

Hoje há uma evolução conceitual contínua. As organizações precisam adaptar-se às mudanças de modo a servir, em primeiro lugar, como um verdadeiro elemento de apoio e suporte para a gestão da mudança organizacional. O melhor investimento que as empresas podem fazer é aumentar o conhecimento das suas Pessoas, o que é possível através de um conjunto de instrumentos e ferramentas para abordar os esforços-chave da modernização e mudança da realidade social. Significa acreditar na capacidade de formar profissionais de gestão e pessoas de negócios com capacidade de intervenção e melhoria das empresas.

Há que saber aproveitar as novas oportunidades provenientes das Tecnologias do presente e do futuro, que vão permitir ultrapassar os desafios de melhorar os processos e criar valor.

Muito se discute nos nossos dias como vai ser a arquitectura das empresas do futuro, como se vão relacionar, como serão concebidos os escritórios do futuro, como será gerir a diversidade geracional e a multiculturalidade nessas organizações, como preparar as organizações para as mudanças que se advinham, que tipo de liderança será exigido, que competências têm as pessoas que desenvolver, que requalificação dos RH. AS universidades têm um papel fundamental neste processo de mudança, considerando a sua obrigatória estreita relação com as empresas e organizações.

E esta revolução não é só de tecnologia. Estamos também num processo “People 4.0”. E apesar de toda esta revolução digital, serão as pessoas que farão as coisas acontecer.

Muito se fala de 4.0. Mas uma boa parte das organizações ainda não pode ser considerada 3.0. Aliás, o que significa exatamente ser 4.0? Importará criar soluções constantemente inovadoras, desenvolver processos eficazes e eficientes, digitalizar, robotizar e usar das novas tecnologias, manter compromisso ambiental, ser socialmente responsável, promover o desenvolvimento das competências das Pessoas nas organizações, fomentar a integração, a motivação, a sinergia entre departamentos. A inteligência emocional gerará alta performance e satisfação dos clientes. E isso é ser 4.0!

Presidente
Carlos Guillen

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *